Apredendo a viver…

– Aprendi que peixinhos dourados não gostam de gelatina. (5 anos)

– Aprendi que meu pai pode dizer um monte de palavras que eu não posso. (8 anos)

– Aprendi que minha professora sempre me chama quando eu não sei a resposta. (9 anos)

– Aprendi que se pode estar apaixonado por 4 garotas ao mesmo tempo. (9 anos)

– Aprendi que os meus melhores amigos são os que sempre me metem em confusão. (11 anos)

– Aprendi que se tenho problemas na escola, tenho mais ainda em casa. (11 anos)

– Aprendi que quando meu quarto fica do jeito que quero, minha mãe manda eu arrumá-lo. (13 anos)

– Aprendi que não se deve descarregar suas frustrações no seu irmão menor, porque seu pai tem frustrações maiores e mão mais pesada. (15 anos)

– Aprendi que os grandes problemas sempre começam pequenos. (20 anos)

– Aprendi que nunca devo elogiar a comida de minha mãe quando estou comendo alguma coisa que minha mulher preparou. (25 anos)

– Aprendi que se pode fazer num instante algo que vai lhe dar dor de cabeça a vida toda. (28 anos)

– Aprendi que para todo o lugar que vou, os piores motoristas me seguem. (29 anos)

– Aprendi que casais que não tem filhos, sabem melhor como você deve educar os seus. (29 anos)

– Aprendi que é mais fácil fazer amigo do que se livrar dele. (30 anos)

– Aprendi que mulheres gostam de ganhar flores, especialmente sem nenhum motivo. (33 anos)

– Aprendi que não cometo muitos erros com a boca fechada. (34 anos)

– Aprendi que existem duas coisas essenciais para um casamento feliz: contas bancárias e banheiros separados. (36 anos)

– Aprendi que se quiser ser convidado a festas, tenho que dá-las. (38 anos)

– Aprendi que toda a vez que estou viajando gostaria de estar em casa e toda vez que estou em casa gostaria de estar viajando. (38 anos)

– Aprendi que a época que preciso realmente de férias é justamente quando acabei de voltar delas. (38 anos)

– Aprendi que nunca se conhece bem os amigos até que se tire férias com eles. (41 anos)

– Aprendi que se você está levando uma vida sem fracassos, você não está correndo riscos o suficiente. (42 anos)

– Aprendi que casar por dinheiro é a maneira mais difícil de conseguí-lo. (42 anos)

– Aprendi que você pode fazer alguém ganhar o dia simplesmente mandando-lhe um pequeno cartão. (44 anos)

– Aprendi que a qualidade de serviço de um hotel é diretamente proporcional a espessura das toalhas. (46 anos)

– Aprendi que crianças e avós são aliados naturais. (47 anos)

– Aprendi que se você cuidar bem de seus empregados, eles cuidarão bem e seus clientes. (49 anos)

– Aprendi que quando chego atrasado ao trabalho, meu patrão chega cedo. (51 anos)

– Aprendi que o objeto mais importante de um escritório é a lata de lixo. (54 anos)

– Aprendi que é impossível tirar férias sem engordar cinco quilos. (55 anos)

– Aprendi que é legal curtir o sucesso, mas não se deve acreditar muito nele. (63 anos)

– Aprendi que não posso mudar o que passou, mas posso deixar pra lá. (63 anos)

– Aprendi que a maioria das coisas com que me preocupo, nunca acontecem. (64 anos)

– Aprendi que todas as pessoas que dizem que “dinheiro não é tudo” geralmente tem muito. (66 anos)

– Aprendi que se você espera se aposentar para começar a viver, esperou tempo demais. (67 anos)

– Aprendi que nunca você deve ir para cama sem resolver uma briga. (71 anos)

– Aprendi que quando as coisas vão mal, eu não tenho que ir com elas. (72 anos)

– Aprendi que envelhecer é importante se você é um queijo. (76 anos)

– Aprendi que te amei menos do que deveria. (91 anos)

– Aprendi que tenho muito a aprender. (92 anos)

Diferenças entre o Homem e a Mulher…


APELIDOS

– Se Adriana, Silvana, Débora e Luciana vão almoçar juntas, elas chamarão umas às outras de Dri, Sil, Dé e Lu.
– Se Leandro, Carlos, Roberto e João saem juntos, eles afetuosamente se referirão uns aos outros como Gordo, Cabeção, Rato e Negão.

COMENDO FORA

– Quando a conta chega, Paulo, Carlos, Roberto e João jogam na mesa R$ 20,00 cada um, mesmo sendo a conta apenas R$ 32,50. Nenhum deles terá trocado e nenhum vai ao menos admitir que queira troco – logo o troco será convertido em saideiras.
– Quando as garotas recebem sua conta, aparecem calculadoras de bolso e todas procuram pelas moedinhas exatas dentro da bolsa.

FILMES

– A idéia que uma mulher faz de um bom filme é aquele em que uma só pessoa morre bem devagarzinho, de preferência por amor.
– Um homem considera um bom filme aquele em que muita gente morre bem depressa, se possível com balas de metralhadora ou em grandes explosões.

DINHEIRO

– Um homem pagará R$ 2,00 por um item que vale R$ 1, 00, mas que ele precisa.
– Uma mulher pagará R$ 1,00 por um item que vale R$ 2, 00, mas que ela não precisa.

BANHEIROS
– Um homem tem seis itens em seu banheiro: escova de dente, pente, espuma de
barbear, barbeador, sabonete e uma toalha de hotel.
– A quantidade média de itens em um banheiro feminino é de 756. E um homem não consegue identificar a maioria dele

DISCUSSÕES

– Uma mulher tem a última palavra em qualquer discussão.
– Por definição, qualquer coisa que um homem disser depois disso, já é o começo de uma outra discussão.

FUTURO

– Uma mulher se preocupa com o futuro até conseguir um marido
– Um homem nunca se preocupa com o futuro até que consiga uma esposa

MUDANÇAS

– Uma mulher casa-se com um homem esperando que ele mude, mas ele não muda.
– Um homem casa-se com uma mulher esperando que ela não mude, mas ela muda.

DIVIDINDO

– Uma mulher dividirá seus pensamentos e sentimentos mais profundos com um completo estranho que lhe dê atenção.
– Um homem só dividirá seus pensamentos e sentimentos mais profundos quando questionado por um advogado artimanhoso, sob juramento, e mesmo assim, apenas quando isso puder diminuir a sua pena.

AMIZADE

– A mulher encontra com outra na rua: ‘Nossa como você ta linda!!!’. Quando viram as costas vem o comentário: ‘Nossa como ela tá gorda’.
– Um homem encontra com outro na rua: ‘Fala seu gordo-careca-bichona!’. Quando viram as costas vem o comentário: ‘pô esse cara é gente fina.

Brasileiros e Hermanos

Um brasileiro está calmamente tomando o café da
manhã quando um argentino típico, mascando chicletes,
senta-se ao lado dele.
O brasileiro ignora o argentino (óbvio) que, não se
conformando, começa a puxar conversa:
– Argentino: Você come este pão inteirinho?
– Brasileiro (de mau humor): Claro.
– Argentino: Nós não. Nós comemos só o miolo, a
casca nós vamos juntando num container, depois processamos,
transformamos em croissant e vendemos para o Brasil.
O Brasileiro ouve calado.
O Argentino insiste: Você come esta geléia com o pão?
– Brasileiro: Claro.
– Argentino: Nós, não. Nós comemos frutas frescas
no café da manhã jogamos todas as cascas, sementes e
bagaços em containers,depois processamos, transformamos
em geléia e vendemos para o Brasil.
– Brasileiro: E o que vocês fazem com as camisinhas depois
de usadas?
– Argentino: Jogamos fora, claro!
– Brasileiro: Nós não. Vamos guardando tudo em
containers, depois processamos, transformamos em chicletes e
vendemos para a Argentina…