Fazer 10 minutos de exercícios faz tão bem quanto passar horas na academia


Boas novas, amigos sedentários: passar horas na academia vale tanto a pena quanto se exercitar por 10 minutos, duas vezes ao dia. Lindo, né?
E isso não é desculpa de gente preguiçosa. Mais de 2 mil pessoas, com média de 47 anos de idade, levaram os pesquisadores da Universidade de Boston a esta conclusão. Os voluntários (mais da metade estava acima do peso) tiveram de passar um tempo com um sensor de movimento colado ao corpo. Todas as atividades diárias eram registradas no aparelho e relatadas aos pesquisadores. Ou seja, não dava para aumentar o número de exercícios físicos praticados em cada dia.
Em média, esses participantes começaram a praticar meia de hora de exercícios físicos por dia. Só que nessa conta entravam atividades simples, como limpar a casa, caminhar rapidamente ou jogar golfe. Eles passaram a gastar cerca de 10 minutos em cada atividade dessas. Aí, por dia, isso rendia a eles 20 minutos de exercícios físicos diários. Moleza.
Outros preferiram atividades mais pesadas, como jogar futebol ou tênis, fazer escaladas. Ou academia.
Mas o que chamou a atenção dos pesquisadores foi o resultado dos 10 minutos extras de atividade física. Quem adicionou à rotina essas duas sessões de 10 minutos de exercícios físicos conseguiu reduzir os riscos de doenças cardíacas. E diminuíam tanto quanto os participantes que passavam horas e horas na academia.
Confortável. Mas sei não. Talvez seja mais seguro apostar também em caminhadas e outras atividades.

Fazer dieta te deixa gordo e triste


Se você faz parte do time que exagera nas comilanças de férias, nem pense em entrar numa dieta louca para recuperar seu peso normal. Seu cérebro vai te deixar cada vez com mais fome e vai ficar ainda mais difícil resistir à tentação de devorar umas gordices.
Pesquisadores da Universidade de Melbourne convidaram 50 adultos obesos para testar a eficácia dos regimes. Por oito semanas, os voluntários tiveram de fazer uma dieta radical: comer entre 500 e 550 calorias por dia (para ter uma ideia: um bife à parmegiana ou um beirute já atingem essa quantidade) – é quase um quarto do recomendável para mulheres. No fim da brincadeira, eles perderam pouco mais de 13 quilos.
Ótimo. Mas a magreza não durou tanto tempo assim. Ao final de um ano, ainda recebendo conselhos e assistência dos pesquisadores, os participantes haviam recuperado, em média, 5 quilos. Eles também disseram sentir mais fome e, claro, ficavam mais paranoicos em relação ao peso do que antes de entrar na dieta.
Isso só acontece porque o corpo simplesmente não vê razão em emagrecer – e luta contra. Segundo a pesquisa, a grelina, um hormônio que estimula o apetite, aumentava 20% depois do fim da dieta. Enquanto isso, a produção do hormônio que suprime a fome estava menor do que de costume.
É, dieta louca nunca funciona. E todo mundo sabe disso. Aquele velho papo sobre mudar aos poucos seus hábitos alimentares e se exercitar ainda é o melhor conselho.

Quer melhorar seu humor? Endireite suas costas


Antes de começar a ler esse post, preste atenção na sua postura. Como você está sentado? Se estiver todo relaxadão, quase caindo da cadeira, é melhor se endireitar. A não ser que você queira se sentir mais cansado e deprimido…

É a recomendação de uma pesquisa da Universidade Estadual de São Francisco, nos Estados Unidos. Os pesquisadores convidaram 110 alunos para fazer os testes. Metade deles teve de caminhar por um corredor com a coluna um pouco curvada, enquanto a outra parte passou saltitante pelo mesmo lugar. Em seguida, todos completaram um questionário com perguntas sobre humor e depressão. A turma dos encurvados reportava muito mais tristeza e cansaço do que os outros.

“É muito semelhante ao princípio do ‘finja até conseguir’ – você pode convencer seu corpo a ter mais energia”, explica Erik Peper, um dos autores da pesquisa.

E esse não é o único estudo que mostra uma relação entre a postura e o estado emocional. Outra pesquisa da Universidade de Harvard mostrou que quando as pessoas mantêm a espinha reta e os ombros abertos, o nível de cortisol (hormônio do estresse) diminui até 25% e a testosterona sobe até 20%. Já quem anda ou senta meio curvado fica até 15% mais estressado e com 10% a menos de testosterona.

Vai vendo, dá quase para dizer que sua postura pode te deixar com mais ou menos vontade de fazer sexo, já que a testosterona é quem comanda a libido.

Mulheres guardam segredo por apenas 32 minutos


Dá coceira na língua quando você escuta uma fofoca? Se você é dessas, não está sozinha, a maioria das mulheres não consegue guardar um segredo por mais de 32 minutos.

É o que diz a pesquisa da Skin Care, uma empresa de produtos para a pele, que entrevistou 3 mil mulheres britânicas. Cerca de 10% delas confessou ser incapaz de guardar um segredo. E 85% assumiram que gostam de escutar fofocas. Metade delas ainda disse que sente necessidade de compartilhar a notícia com alguém – e isso acontece, no máximo, 32 minutos depois receber a confissão/desabafo do colega.

As fofocas preferidas são casos extraconjugais, cirurgias plásticas e problemas no relacionamento. Bem, pelo menos elas contam para pessoas de confiança: em geral, para o marido, mãe ou melhor amigo.

É, pelo jeito mulher é mesmo boca aberta. E você, por quanto tempo consegue guardar um segredo?

Cansaço realmente te deixa mais feio


Aproveitou bem as festas de fim de ano e ainda não conseguiu dar ao seu corpo tempo suficiente para se recuperar do cansaço? Então vê se dá um jeito de dormir bem hoje. Ou você vai passar os primeiros dias do ano com o rosto bem menos bonitinho. A ciência explica por que seu corpo te deixa com cara de acabado.

Enquanto dormimos, os níveis de cortisol (hormônio do estresse) no corpo diminuem. Aí a pele fortalece a habilidade de se proteger. Mas se isso não acontece e o estresse se mantém em alta, a produção de colágeno começa a cair. Nessa, a pele logo abaixo dos olhos começam a ficar flácidas. E esse não é o único mal: estresse ainda diminui a produção de melanina. Ou seja, você fica mais pálido e com cara de acabado.

Isso sem contar as olheiras, que vem com aquele inchaço embaixo dos olhos. Elas só aparecem porque seu organismo não teve tempo suficiente para espalhar a água acumulada em algumas partes do corpo. “Normalmente, quando você dorme, você distribui a água pelo seu corpo todo”, explica o pesquisador Michael Roizen. Mas se você dorme mal ou pouco, a água continua acumulada, principalmente na região dos olhos – aí aparecem aquelas olheiras gordas.

E aí, topa tirar um cochilo?

Mulheres bonitas colocam os homens em risco

Uma pesquisa da Universidade de Queensland, na Austrália, revela que os homens se arriscam mais quando estão perto de mulheres atraentes. O estudo avaliou a relação entre homens jovens assumirem riscos e a presença de mulheres bonitas em uma pista de skate. Os pesquisadores Bill von Hippel e Richard Ronay constataram que os skatistas jovens faziam manobras mais arriscadas quando estavam na presença de um observadora bonita do que quando na frente de espectador do sexo masculino. A saliva dos skatistas também foi testada para medir os níveis de testosterona e pontou que os jovens se arriscaram porque a presença das mulheres atraentes elevou o nível de testosterona dos homens. Ficar perto de mulheres bonitas deixa os homens mais másculos, mas faz com que eles percam a noção do perigo.

Solidão realmente faz você sentir frio

É real. Aquele mimimi meloso que diz “sem você tudo é tão frio” faz todo sentido. Quando você se sente solitário ou excluído de uma turma, a temperatura do seu corpo realmente diminui. Aí tudo fica frio e sem graça.

Voluntários sentiram na pele o frio da solidão. Uma pesquisa da Universidade Tilburg, na Holanda, convidou um grupo de pessoas para participar de um jogo online de arremesso de bolas. Enquanto brincavam, os pesquisadores mediram a temperatura dos dedos deles por 24 vezes. Num certo momento, por pura maldade, alguns jogadores deixavam de receber as bolas e ficavam excluídos, sem participar do jogo. Quando isso acontecia, a temperatura deles caía, em média, 0,378 graus Celsius.

É só uma resposta automática do corpo, um mecanismo de proteção. Quando você sente medo, por exemplo, o sistema nervoso autônomo manda várias ordens, como aumentar osbatimentos cardíacos ou contrair os vasos sanguíneos. Os pesquisadores acreditam que ossentimentos de solidão e exclusão também alarmam o corpo, mas não aceleram o coração, apenas deixam as veias das áreas periféricas mais contraídas. Aí os dedos ficam frios e as regiões internas do corpo ficam mais quentinhas.

Mas se você estiver nessa, os pesquisadores sabem como recuperar sua temperatura: basta segurar uma xícara de chá. Funcionou bem com os participantes.

Sentir culpa deixa o chocolate mais gostoso

Tem aquele sabor extra de coisa errada ou proibida, sabe? Aí fica irresistível.

Pesquisadores da Northwestern University fizeram o teste com 40 mulheres. Eles as dividiram em dois grupos: um teria de ler uma revista sobre dieta e saúde (daquele tipo “como manter seu corpo em forma”, ou “elimine as gordurinhas”) e o outro leu revistas que nada tinham a ver com o bem-estar. Depois ganharam e comeram uma barra de chocolate.

E adivinha quem se deliciou mais com a refeição? O pessoal que tinha acabado de ver imagens de homens e mulheres saradas – com matérias sobre como se tornar um deles. Elas gostavam quase 20% mais dos doces do que as outras mulheres. O sentimento de culpa, por comer algo que pode engordar, deixou o chocolate bem mais gostoso.

O único problema é que isso serve para outras coisas um pouco mais prejudiciais à saúde, como álcool e cigarro.

Teriam os 3 reis magos chegado até Belém seguindo uma estrela? A ciência diz que não

Reza a lenda que três reis magos andavam por aí quando viram uma estrela linda e brilhante. Só podia ser o sinal do nascimento de um rei. Sem pestanejar, os três magos decidiram segui-la. Chegaram até Belém logo após o nascimento de Jesus Cristo. Deixaram três presentes: ouro, incenso e mirra.

Até hoje ninguém sabe qual era aquela estrela. Só se sabe que ela guiou os três magos até o local de nascimento de Jesus. Será? O físico Randall Munroe, autor do site xkcd.com, resolveu testar algumas possibilidades. Ele imaginou onde os três parariam se tivessem seguido Marte, Vênus, ou Sirius, a estrela mais brilhante do céu. Todos os caminhos foram calculados com a ajuda de ferramentas que determinam as posições históricas dos objetos astronômicos.

A primeira hipótese seria Sirius. E não daria muito certo. Segundo Munroe, eles teriam caminhado sobre a água até chegar ao Pólo Sul. Dá uma olhada no desenho:

Então ele decidiu considerar uma possibilidade nova: vai que os magos avistaram a estrela ao final do dia, e não no breu da noite. Bem, aí o caminho seria outra. Mas não deu certo também. Eles teriam desviado de Belém, apesar de passar perto, e parado na Botsuana, lá no sul da África. Olha aí o resultado:

É, Vênus (esquerda) e Marte (direita) também não..

Ou talvez eles tenham seguido qualquer outra estrela e parado, por sorte, na cidade de Belém. Vai saber, né.

Inventar uma mentira perfeita só exige treino

Os mentirosos de plantão vão curtir essa!

Dá para virar um “bom” mentiroso e fazer qualquer pessoa acreditar em tudo que você diz. É só uma questão de treino. Convença seu cérebro sobre a verdade daquela mentira e pronto, todos vão cair no seu papo.

Foi o que descobriu um estudo da Universidade Northwestern, nos Estados Unidos. Eles dividiram os voluntários em dois grupos: uma turma teria de criar na hora uma mentira e contá-la rapidamente, enquanto o outro teria tempo para inventar e treinar a lorota – e ainda receberam orientações dos pesquisadores. Quando passaram pelo detector de mentira, os membros do segundo grupo não mostraram nenhuma diferença enquanto mentiam ou contavam histórias verdadeiras.

Isso acontece porque o cérebro entra em conflito quando você precisa contar uma mentira – ele sabe qual é a resposta correta, mas você o obriga a ir pelo caminho errado. Essa briga interna deixa as coisas mais lentas: você demora mais para contar uma mentira do que uma história verdadeira. E ainda comete bem mais erros (é difícil acertar todos os detalhes da mentira, não é?). Aí o detector de mentira, ou seus amigos, descobrem a farsa.

Mas com treino e agilidade, os voluntários da pesquisa conseguiram passar a perna nos detectores. Mesmo o pessoal do primeiro grupo, que só foi instruído a contar de forma rápida a história, enganou o computador algumas vezes. “Nós descobrimos que a mentira é muito maleável e pode ser aprimorada com técnicas intencionais”, explica Xiaoging Hu.

Só que o teste foi feito só com máquinas. Enganar pessoas (principalmente amigos) deve ser um pouquinho mais complicado. Sem contar que faz mal pra saúde